Número de mortos após tragédia em Moçambique chega a 446; saiba como ajudar

O número de mortos após a passagem do ciclone Idai subiu para 446 em Moçambique, além de 531 mil pessoas afetadas, sendo 110 mil delas no campo. As informações são do ministro do Meio Ambiente do país, Celso Correia.

A tempestade também matou 259 pessoas no Zimbábue e 56 pessoas no Malaui em fortes chuvas que ocorreram antes do ciclone. Assim, o total de mortos devido ao fenômeno da natureza subiu para 761.

O ciclone Idai passou pela cidade portuária da Beira, com ventos de até 170 km/h na semana passada. Depois, foi em direção ao interior do continente, pelo Zimbábue e Malaui, deixando populações inundadas e devastando casas.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, estima que haja pelo menos 1 milhão de crianças afetadas pela tragédia.

Em visita ao país, a diretora-executiva do fundo, Henrietta Fore, calcula que vá precisar pelo menos de US$ 30 milhões para prestar ajuda imediata. “A situação vai piorar antes de melhorar”, disse. “As agências de ajuda mal começaram a ver a escala dos danos”.

COMO AJUDAR OS ATINGIDOS

Saiba quais organizações internacionais e entidades filantrópicas estão recebendo ajuda:

  ONU – Um comitê internacional de ajuda humanitária a crises das Nações Unidas aceita doações para fornecer alimentação medicamentos e abrigo para os 3 países atingidos pelo ciclone;

    Unicef – Outro organismo da ONU iniciou campanha de emergência para coletar novas doações. Segundo estimativa da organização, há mais de 600 mil crianças desabrigadas;

    Médicos sem Fronteiras – O fundo de emergência da organização humanitária reúne doações em dinheiro para arcar com equipamentos como filtro de transfusão, soro e purificadores de água;

    Caritas – A organização católica internacional também aceita doações em dinheiro pela internet para custear alimentos, medicamentos, abrigo e outros itens de ajuda humanitária;

    Centro de Excelência contra a Fome nos EUA – A entidade se dedica a entregar alimentos em regiões atingidas por desastres;

    Save the Children – Organização destinada a ajudar crianças pelo mundo coleta ajuda para o desastre causado pelo ciclone Idai e outras tragédias humanitárias;

    SOS Children’s Villages – Entidade que ajuda crianças e comunidades atingidas por tragédias humanitárias faz campanha por doações para oferecer cuidados a vítimas do ciclone Idai;

    Oxfam – Entidade internacional de combate à pobreza que reúne 19 organizações e milhares de parceiros. A Oxfam está na região afetada e procura assegurar aos sobreviventes acesso à água tratada e comida. O objetivo é ajudar 500 mil pessoas;

    Comitê Judaico-Americano de Distribuição Conjunta – A organização filantrópica judaica dos EUA aceita doações em real para reforçar a ajuda com itens médicos aos países atingidos pelo ciclone;

    Catholic Relief Services (CRS) – Fundo católico norte-americano que recebe ajuda de diversos países para catástrofes humanitárias está em campanha para recolher doações após passagem do ciclone Idai;

    ASEM Mozambique – Organização filantrópica sediada em Moçambique sofreu com os danos do ciclone na região de Beira e pede ajuda;

    Humanity & Inclusion – Há integrantes desse grupo em Moçambique, e eles pedem doações para fornecerem alimentos, água e abrigo aos atingidos pelo ciclone;

    ActionAid – Neste momento, as necessidades mais imediatas incluem água potável, alimentos, combustível, kits de higiene, mosquiteiros, barracas e outros suprimentos. O fundo de emergência recebe doações em dinheiro, no valor mínimo de R$ 35. A meta é arrecadar R$ 50 mil.

Relacionados